acesse o RN blog do jornalista João Bosco de Araújo [o Brasil é grande; o Mundo é pequeno]


sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

Encerramento da festa de São Sebastião no Serrote da Cruz nesta sexta

Nesta sexta-feira, 20 de janeiro, o encerramento da Festa de São Sebastião, glorioso mártir defensor dos Sertões. Em Caicó, o evento se realiza no Serrote da Cruz, na Ilha de Sant’Ana e a solene procissão de encerramento tem início às 17h30, saindo da Catedral, passando pelas ruas Pe. João Maria, Visitador Fernandes, Julião Costa, Ilha de Sant’Ana, até a Capela do Serrote da Cruz, onde haverá a missa.

Logo após a missa ocorrerá o sorteio da festa, de acordo com a programação divulgada. Por toda a semana foram realizados os festejos religiosos, iniciados desde o dia 10 de janeiro.

CRUZ, SERROTE, CAPELA
A tradição da festa de São Sebastião no Serrote da Cruz tem décadas, e segundo historiadores, inicialmente uma cruz primitiva foi chantada no rio Seridó para depois ser trasladada para o serrote, aonde em 1940 foi construída a capelinha em homenagem a São Sebastião. Tempos depois a capelinha desabou, por volta de 1966, mas os devotos e moradores da região a reergueram, inaugurada a atual capela no dia 20 de janeiro de 1990.
Foto arquivo assessorn.com/festa 2015    
©2017 www.AssessoRN.com | Jornalista João Bosco Araújo - Twitter @AssessoRN

Estudantes entregarão 400 quilos de alimentos em Baraúna no Oeste do RN

Um grupo de estudantes de Baraúna realizará amanhã, 21, a entrega de 400 quilos de alimentos a 20 famílias carentes que residem no município. Os estudantes também arrecadaram roupas, brinquedos e calçados.

Os gêneros alimentícios foram arrecadados durante uma gincana realizada entre os alunos da Escola Formare Mizu, que estão prestes a completar o curso de Assistente de Operações de Controle e Manutenção Industrial. A iniciativa é uma das atividades da disciplina de Eletromecânica e Automação, ministrada pelo instrutor voluntário Regivânio Santana, que é um dos supervisores de manutenção da Fábrica de Cimento Mizu.

O instrutor explica que a gincana foi dividida em duas etapas, a primeira correspondente à arrecadação de donativos e a segunda a uma prova sobre o conteúdo ministrado em sala de aula.

Para realização da primeira etapa da competição, a turma composta por 20 estudantes foi dividida em quatro grupos.

Samanta dos Santos liderou a equipe JAMNS, que arrecadou cerca de 55 quilos de alimentos. Ela conta que cada componente do grupo ficou responsável por pedir a contribuição dos conhecidos. Muitos dos que ajudaram, inclusive, são integrantes da própria Mizu. “No finalzinho, quando estava perto de terminar pedimos nas casas também”, conta a estudante, acrescentando que a maior parte das pessoas abordadas contribuiu e que está ansiosa pelo momento da entrega.

“Todo mundo está comentando. Todo mundo querendo entregar para ver a alegria das pessoas”, diz Samanta.

Para conseguir os donativos, os alunos da Escola Formare tiveram, aproximadamente, 15 dias.

Ao final do período foram arrecadados mais de 400 quilos de alimentos, divididos em 20 cestas básicas, direcionadas à população carente de quatro pontos da cidade, como explica Regivânio. A escolha das famílias contempladas foi realizada mediante uma visita feita pelo próprio instrutor à periferia de Baraúna, com objetivo de identificar a situação das mesmas.

Após a seleção das famílias, cada aluno da Escola Formare fará a entrega de uma cesta básica.

“Eles se prontificaram em ajudar em relação à participação social”, comenta Regivânio. Além disso, o instrutor afirma que a competição em si, estimulou os grupos. “Foi uma forma de tentar extrair o máximo deles”, acrescenta o autor da iniciativa.

OUTRAS DOAÇÕES
Além de gêneros alimentícios, os estudantes também arrecadaram roupas, brinquedos e alguns calçados, totalizando 110 peças. [por assessoria de imprensa]

Fotos relacionadas à divulgação

Faculdade no RN oferece cursos gratuitos de verão; Confira lista

Ao todo são ofertadas mais de 500 vagas para as oficinas nas mais variadas áreas, como Contabilidade, Nutrição e Informática

Estão abertas as inscrições para os cursos gratuitos de verão da Faculdade Estácio Natal, que ocorrem de 23 de janeiro a 6 de fevereiro nas unidades de Ponta Negra, Alexandrino e Zona Norte. Ao todo são ofertadas mais de 500 vagas para as oficinas nas mais variadas áreas, como Contabilidade, Nutrição e Informática.

Entre os cursos estão: Nutrição Funcional, Primeiros Socorros, Fotografia, Automaquiagem, Inovação e Gestão de TI, Google Docs, Decoração de Interiores, além de um preparatório para o exame de suficiência de Contabilidade.

De acordo com Telmo Schmitz, diretor da Estácio em Natal, o ideia é oferecer oportunidade à comunidade de adquirir conhecimentos com bons professores, e ainda proporcionar uma aproximação com a área profissional almejada. “A Estácio está sempre atenta às necessidades do mercado para poder oferecer um portfólio de cursos de acordo com as demandas da sociedade. Através desses cursos gratuitos, já é possível visualizar esse leque de oportunidades que a faculdade oferece”, declara Schmitz.

Confira abaixo os cursos, as unidades e o contato para inscrição:

Estácio Zona Norte
Inscrições pelo telefone 3674.8570

Informática para iniciantes
Dias: 23 e 30 de janeiro
Hora: 14h às 17h

Decoração de Interiores
Dia: 26 de janeiro
Hora: 19h às 21h

Informática para a melhor idade
Dias: 26 de janeiro a 06 de fevereiro
Hora: 14h às 17h

Automaquiagem
Dia: 04 de fevereiro
Hora: 9h às 12h

Fotografia
Dia: 28 de janeiro
Hora: 9h às 12h

Estácio Alexandrino
Inscrições pelo telefone 9 9992.1950

Google Docs
Dia: 24 de janeiro
Hora: 20h30 às 22h

Inovação e Gestão de TI
Dia: 24 de janeiro
Hora: 19h às 20h15

Automação Residencial
Dia: 25 de janeiro
Hora: 19h às 21h

Preparatório para o Exame de Contabilidade
Dias: 25 a 30 de janeiro
Hora: 18h30 às 21h30

Estácio Ponta Negra
Inscrições pelo telefone: 3642.7514

Primeiros Socorros
Dia: 24 de janeiro
Hora: 19 às 20h

Nutrição Funcional
Dia: 24 de janeiro
Hora: 18 às 20h

Por assessoria de imprensa

Última novena da festa de São Sebastião em Parelhas

Garibaldi visita Parelhas durante festa de São Sebastião

A cidade de Parelhas – a 240 quilômetros de Natal, na região Seridó – recebeu a visita do senador Garibaldi Alves Filho (PMDB), na noite de quinta-feira (19), que foi prestigiar a tradicional festa do padroeiro São Sebastião. Ele participou da última noite de novena, celebrada pelo padre João Júnior, e dos festejos na ruas da cidade, acompanhado do prefeito, Alexandre Petronilo (PMDB) e da vice-prefeita Nazilda Tavares (PT), além de Gilson Dantas, prefeito da cidade vizinha Carnaúba dos Dantas.

“A festa de São Sebastião tem grande importância para o povo do Seridó. Movimenta a economia da cidade, momento de encontrar os amigos de todos os cantos do estado, e sem falar no contexto religioso e de fé”, comentou Garibaldi. [por assessoria]

Foto relacionada à publicação

quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

Programa Farmácia Popular será aperfeiçoado para evitar fraudes nas vendas de medicamentos

Ministério implanta critérios para evitar fraudes no Farmácia Popular

O Programa Farmácia Popular está passando por aperfeiçoamento para evitar fraudes nas vendas de medicamentos. A partir dos dados do Departamento Nacional de Auditoria do SUS (Denasus), o Ministério da Saúde realizou uma força-tarefa que identificou irregularidades recorrentes no que diz respeito a doenças de incidência raras em determinadas faixas etárias.

Das auditorias realizadas em 2016, cerca de 40% tiveram relação com o programa e em apenas uma farmácia não foram detectados irregularidades. Os processos indicaram devolução de quase R$ 60 milhões aos cofres públicos devido à dispensações impróprias de medicamentos. As restrições no sistema foram implantadas para maior controle dos medicamentos e levando em conta os parâmetros definidos pelos protocolos clínicos e diretrizes terapêuticas do Ministério da Saúde.

A partir de agora passam a valer os critérios de validação do status do CNPJ das farmácias credenciadas junto à base da Receita federal; validação das informações com base no cartão nacional de saúde e critérios de idade para venda de medicamentos por patologias, da seguinte forma: para dislipidemia (colesterol alto) - idade igual ou maior a 35 anos; osteoporose - igual ou maior a 40 anos; parkinson - igual ou maior a 50 anos; hipertensão - igual ou maior a 20 anos e contraceptivos - igual ou maior a 10 anos e menor que 60 anos. Pacientes que estiverem fora da faixa etária estabelecida poderão requerer a inclusão do CPF no sistema pela Ouvidoria Geral do SUS pelo telefone 136 opção 8 ou pelo e-mail analise.fpopular@saude.gov.br. [Portal da Saúde > Saiba mais]

A imprensa é preconceituosa? Eu não duvido; confira artigo de jornalista

A imprensa é preconceituosa? Eu não duvido.

Por Luiz Gonzaga Cortez*

Nós somos copiadores e imitadores. E preconceituosos. De quê? De tudo. Mas, um lembrete: vou escrever sobre o comportamento dos nossos ilustres colegas jornalistas brasileiros. Além da decadência do jornalismo investigativo, aliás, acompanhando o rumo (ou sem rumo?) da grande imprensa do eixo Rio de Janeiro - São Paulo-Brasília, que de “grande imprensa” só tem a fama, os repórteres e redatores dos jornais potiguares foram contaminados pelo vírus da copiação, da imitação e da cultura preconceituosa. E imitam errado. Como, rapaz, diga aí?  Vamos devagar.

Observem o noticiário da imprensa do eixo que antigamente era chamado de “sul maravilha” e as notícias dos jornais diários da província potengina sobre um assunto atual: a caixa com os gravadores do avião da Air France que caiu no Oceano Atlântico em 2009, no trajeto Rio de Janeiro-Paris.  Essas caixas são laranjas (outros dizem que são  rosas, vermelhas), mas os jornais e televisões do Brasil chamam-nas de “caixas pretas”. Elas sempre foram laranjas para facilitar a sua identificação na terra e no mar e em qualquer lugar do planeta.

Você já pensou uma caixa preta no fundo do oceano, a três, quatro ou cinco metros de profundidade, ao lado ou dentro de possíveis vegetações marinhas? Claro, seria mais difícil a sua localização. Mas, todos os comunicadores já estão habituados a tachar de preta, negra ou preto os eventos e acontecimentos ruins. Recentemente, a Tribuna do Norte fez uma chamada de primeira página  intitulada de “noite negra no futebol brasileiro”, se reportando as derrotas de times do América e do Grêmio, no Brasil e num país vizinho.

E a matéria na página interna acompanhava a chamada de capa. Essa “cultura” já está incorporada na imprensa nacional? Creio que sim. “A coisa tá preta”, uma expressão preconceituosa que ouvimos desde criança, é dito quando se refere a uma situação ruim, difícil e desagradável.

Outro exemplo: estive numa casa de câmbio no “Praia Shoping”, na avenida Roberto Freire, e vi um pequeno cartaz com os seguintes dizeres: “Mercado negro é crime federal”.  Aí eu pergunto: onde está o mercado branco, o mercado amarelo? Cambiar moedas estrangeiras se faz em qualquer esquina deste país, nas calçadas de bancos particulares e estatais. A moda agora é cambiar nos bares e restaurantes chiques, digo, frequentados por pessoas de maior poder aquisitivo. O cartaz da casa de cambio não poderia se referir ao criminoso  mercado paralelo?

É por isso que concordo com Alberto Einstein (1879-1955), cientista alemão naturalizado americano, quando disse que “é mais fácil desintegrar um átomo do que um preconceito”.

Além de preconceituosa, a imprensa e a mídia nacional é imitadora e copiadora do que  se diz, do que se veste, do que se usa, no estrangeiro. E nós embarcamos nessa canoa. Estamos copiando o que se diz e se faz nas televisões do novo “Eixão” (Rio de Janeiro-São Paulo-Brasília). Querem um exemplo? Trocaram a palavra comum por recorrente. Quando querem dizer que o caso é comum, os empavonados apresentadores e noticiaristas da Globo e das demais redes de televisão dizem que o caso é recorrente.

Mestre Aurélio diz que recorrente é quem recorre de um feito judicial,  de uma sentença para outra instância superior, etc. Vejam os dicionários. E substituíram a palavra classificação por “ranking” (palavra americana que significaria colocação nos campeonatos de voleibol nos EUA).

Em tempo: Cascudo, na década de 30, escreveu que copiamos tudo do estrangeiro. Menino, essa cultura obtusa é antiga...

*Luiz Gonzaga Cortez, jornalista / com post na página do Jornal Zona Sul.

Ministério da Saúde investe R$ 3,6 milhões para tratamentos nefrológicos no RN

Mais de 83 mil pacientes renais crônicos em todo o país, que necessitam de tratamento contínuo e dependem do SUS vão ser beneficiados. Incremento na verba chega a R$ 197 milhões anuais para custeio dos procedimentos

O Ministério da Saúde acaba de liberar R$ 197 milhões para custear tratamentos nefrológicos, beneficiando 83 mil pacientes renais crônicos que necessitam de tratamento contínuo e dependem do Sistema Único de Saúde (SUS), o Rio Grande do Norte irá receber R$ 3,6 milhões. Os recursos vão custear os procedimentos de Terapia Renal Substitutiva (TRS) e são referentes ao reajuste da Tabela de Procedimentos, Medicamentos, Órteses, Próteses e Materiais Especiais (OPMEs) anunciado  em janeiro de 2017. Na ocasião, foram definidos novos valores referenciais para os procedimentos dialíticos com base em estudos econômicos. A portaria, que normatiza o reajuste e libera o dinheiro, está disponível no Diário Oficial da União (D.O.U). [Portal da Saúde > Saiba mais] 

Esclarecimentos sobre a febre amarela e a vacinação

A SESAP/RN esclarece a população sobre a febre amarela e a vacina
 
Tendo em vista o aumento no número de casos notificados de febre amarela, desde o início de 2017 no Estado de Minas Gerais, a Subcoordenadoria de Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap-RN), emitiu nota esclarecendo sobre o surto da doença e as recomendações de vacinação.

A Febre Amarela (FA) é uma enfermidade hemorrágica viral aguda transmitida por mosquitos infectados. Os meses de dezembro a maio são os meses em que ocorre maior número de casos de transmissão da doença em grande parte do Brasil, período em que as condições climáticas e ambientais estão mais favoráveis ao ciclo dos mosquitos vetores.

O ciclo da Febre Amarela é habitual em primatas não humanos (macacos), que transmitem a doença ao serem picados pelos mosquitos dos gêneros Haemagogus e Sabethes, que residem na mata. Esses mosquitos ao picar macacos doentes se contaminam com o vírus da febre amarela, que é um arbovírus do gênero flavivírus, e assim, se tornam os vetores da doença, podendo transmiti-la para outros macacos e para humanos que entram em contato com ambiente de mata.

Atualmente, o Brasil tem registros apenas de febre amarela silvestre. As notificações da doença em MG, que é uma região de risco para a febre amarela no Brasil, mostram que os casos notificados são de pessoas que residem muito perto de áreas de mata, no meio rural e não urbano.

Entretanto, há uma preocupação quanto à chegada da doença em área urbana o que pode ser considerado catastrófico. Pois em ambiente urbano, o transmissor da febre amarela passa a ser o mosquito Aedes aegypti (responsável também pela transmissão da zika, chikungunya e dengue), encontrado em grande abundância em áreas urbanas e o seu controle não tem se mostrado eficaz.

Para que a transmissão urbana da febre amarela ocorra, é preciso que uma pessoa na área rural, infectada com o vírus, circule pelo meio urbano e seja picada pelo Aedes. O mosquito, então, passaria a contaminar pessoas susceptíveis (não vacinados ou que não tenham contraído a doença antes).  Os últimos casos de febre amarela urbana (transmitida pelo Aedes aegypti) foram registrados em 1942, no Acre.

SINTOMAS E VACINA
Os sintomas da febre amarela são: febre súbita, dor de cabeça, icterícia, dores musculares, náusea, vômitos e fadiga. O termo “amarela” se refere à icterícia que acomete alguns pacientes. A doença pode ser prevenida por uma vacina eficaz e segura para o uso, disponível nos postos de saúde.

A vacinação contra a febre amarela é recomendada às pessoas que residem ou viajam para regiões silvestres, rurais ou de mata, para as quais há recomendação desta vacina. O Ministério da Saúde definiu a manutenção do esquema de duas doses da vacina contra a Febre Amarela no Calendário Nacional, sendo uma dose aos noves meses de idade e um reforço aos quatro anos.

A vacina contra a febre amarela é ofertada no Calendário Nacional do Sistema Único de Saúde (SUS) e é enviada, mensalmente, para todo o país. Em 2016, foram repassados aos estados mais de 16 milhões de doses, sendo que para o Rio Grande do Norte foram disponibilizadas 36.400 doses. Todos os municípios estão abastecidos com a vacina e o RN tem estoque suficiente para atender a população nas situações recomendadas. A SESAP/RN alerta para a necessidade dos municípios em informar e vacinar viajantes que se dirigem para áreas onde é obrigatória a certificação da vacina contra a febre amarela e ainda, que não há critérios epidemiológicos para recomendação de vacina para a população.

A recomendação de vacinação para a população continua a mesma: toda pessoa que reside em Áreas com Recomendação da Vacina contra febre amarela e pessoas que vão viajar para regiões silvestres, rurais ou de mata dentro dessas áreas, deve se imunizar. Os estados do Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Alagoas, Sergipe, Espírito Santo e Rio de Janeiro estão fora da área de recomendação para a vacina.

Ainda que o Rio Grande do Norte esteja fora da área de risco para a febre amarela, a subcoordenadora de Vigilância Epidemiológica da Sesap, Maria de Lima Alves, esclarece que desde o mês de janeiro de 2016, o órgão vem intensificando as ações de monitoramento das notificações de casos e de óbitos suspeitos por arboviroses, como zika, dengue e chikungunya) transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti.

Assim é possível fazer a intervenção oportuna para evitar casos humanos e evitar também a urbanização da doença por meio do controle de epizootias e de vetores, com o objetivo de antecipar a ocorrência da doença.

“A recomendação mais importante neste momento continua sendo o controle do vetor Aedes aegypti através da eliminação das condições que favorecem ao ciclo do mosquito. Para as pessoas que necessitam se deslocar para Estados onde há recomendação de vacina contra a febre amarela que procurem os postos de saúde com antecedência de dez dias para se vacinar”, orienta Maria Lima. [Ascom/Sesap]

quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

Saúde capacita agentes de endemias em Pau dos Ferros

A Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap), através da Coordenadoria de Promoção à Saúde (CPS), está concluindo hoje (18) o segundo dia de capacitação para os agentes de combate às endemias (ACE) no município de Pau dos Ferros.

Participam também os secretários municipais de saúde e os supervisores dos agentes dos 37 municípios que compõem a VI Unidade Regional de Saúde Pública, com sede em Pau dos Ferros. O objetivo é sensibilizar os novos gestores e capacitar os agentes para a situação epidemiológica das arboviroses.

Entre os temas discutidos estão o trabalho de campo dos agentes, a nova diretriz de orientação dos ciclos de campo (1° ao 6°), o apoio das Forças Armadas e a utilização dos recursos nas ações de combate às endemias.

Na primeira semana de janeiro já foram capacitados os agentes do município de Santana do Matos e na segunda semana foi a vez do município de Umarizal. [Ascom/Sesap]  

XXII Fiart 2017 começa nesta sexta com intensa presença de artesãos do RN

A XXII edição da Feira Internacional de Artesanato começa nesta sexta, dia 20, permanecendo no Pavilhão das Dunas do Centro de Convenções, das 16 às 22h, até o dia 29 com a presença de renomados e qualificados artesãos de várias partes do Brasil, numa ação do Programa do Artesanato Brasileiro, da Secretaria da Micro e Pequena Empresa da Presidência da República.

Além deste time de alto nível do artesanato brasileiro, a FIART contará ainda com forte presença de artesãos do Rio Grande do Norte que participam da Fiart por iniciativa própria ou através dos programas do setor promovidos pelo Governo do Estado e por prefeituras municipais.

O Governo do Estado, por exemplo, está levando para a feira 17 associações, 8 cooperativas, a rede Xique-Xique e artesãos de 37 municípios, além de apoiar ainda outros 28 municípios em conjunto com o Programa do Artesanato Brasileiro. No total a Secretaria de Estado do Trabalho, Habitação e Assistência Social beneficiará diretamente 227 artesãos potiguares, cadastrados no Programa Estadual de Artesanato (Proart), e 1.595 indiretamente. No total a Sethas vai reunir artesãos de 65 municípios, que comercializarão produtos das mais variadas tipologias, desde o bordado à cerâmica.

Além das vendas no pavilhão principal, os artesãos vão dispor do Salão dos Mestres, com cerca de 20 artesãos realizando seu trabalho no local para os visitantes.  O Mercado do Artesanato vai reunir 40 artesãos de 30 municípios que irão expor produtos da culinária regional como suspiro, cocada, doces e biscoitos. No local também haverá exposição de artesanato.  “A Fiart é uma oportunidade para nossos artesãos exporem e venderem seus produtos, garantindo geração de renda, além de divulgarem seus trabalhos para milhares de visitantes”, ressalta a secretária da Sethas-RN, Julianne Faria.

A Prefeitura de Natal participa da Fiart, por meio da Secretaria do Trabalho e Assistência Social de Natal (Semtas), com 22 empreendimentos de Economia Solidária, selecionados por meio de chamada pública. Brinquedo, artesanato, bordado, pintura e reciclagem são alguns dos trabalhos expostos pela Semtas, em stand único.

“A FIART é um evento consolidado no calendário cultural da Cidade do Natal, onde valoriza a cultura e o desenvolvimento do artesanato local. Este ano estarão expondo e comercializando os seus produtos no stand da Semtas, Associações e Grupos de Economia Solidária e empreendedores individuais, beneficiando de forma direta e indireta, cerca de 700 famílias”, explica o Chefe do Setor de Empreendedorismo, José Elikson Medeiros.

Para a titular da Semtas, Ilzamar Pereira, a FIART não só valoriza, como destaca a importância do trabalho manual e artístico gerando novas oportunidades de negócios. “O Setor de Empreendedorismo da Semtas sempre contou com o apoio da Prefeitura do Natal, que valoriza os artesãos locais, para que, em grupos, possam ter acesso à capacitação profissional e assim, ampliar sua renda familiar. Além da geração de emprego e renda, todos os anos, durante a FIART, vemos o surgimento de novos talentos que têm a oportunidade de exibir seu trabalho para um público de quase 60 mil pessoas”, ressalta.

A XXII FIART tem vasta programação cultural começando sexta, dia 20, com música eletrônica às 17h e prosseguindo até 22h com banda de música e grupo cultural de Pureza, Cia Corpus Dançantes, Grupo Lar Fabiano de Cristo, Kings Dance, Studio de Danças Soraya Lima e grupos culturais da FJA e de Ceará Mirim. A sexta termina com show de Dodora Cardoso e Maiorais do Forró.

No sábado tem música eletrônica, cortejo, cultura circense, danças e rituais indígenas, banda de música de Extremoz, companhias de dança do TAM, STTU, Evidance, Tuareg Kasa do Oriente e FJA. Os shows são de Thiago Oazys e Forró Meirão.

No domingo tem música eletrônica, banda de música Trampolim da Vitória de Parnamirim, trio Forró do Sete, grupos Melodia, Dom Bosco, Remix, Boi de Reis Estrela Dalva, Vidart`s, Teatro Potengiense e encerra com show de Ivanildo di Natal e Carlos Zens e Banda Peixe Boi.

A XXII FIART em 2017 contará com 385 estandes e tem o apoio do Programa do Artesanato Brasileiro (Secretaria da Micro e Pequena Empresa da Presidência da República), Governo do Estado do RN, Prefeitura da Cidade do Natal e SEBRAE/RN.

Serviço:
XXII FIART
De 20 a 29 de janeiro de 2017
Pavilhão das Dunas do Centro de Convenções
Das 16 às 22h
Entrada – R$ 8,00 e R$ 4,00 (estudante, idosos e quem baixa o aplicativo da Fiart)
Estacionamento – R$ 5,00
Divulgação Flávio Rezende - ass. Imprensa
Foto relacionada à divulgação

Acompanhantes e servidores estão novamente sem alimentação nos hospitais do RN

Funcionários terceirizados estão em greve, devido ao atraso de salários

Nesta terça-feira (17) a alimentação foi suspensa para os acompanhantes e servidores dos hospitais estaduais do RN, sendo garantida apenas para os pacientes. O motivo é a greve dos funcionários terceirizados da empresa JMT, responsável pela produção das refeições. Os servidores da empresa JMT estão sem receber o salário de dezembro.

Os servidores da saúde, que trabalham em plantões de 12 horas, estão sem almoço e janta. No Hospital Ruy Pereira, o café também foi suspenso. “Nós já estamos recebendo atrasado, pagando juros, e agora vamos ter que pagar pra comer? Não tenho condições de comer na rua, de pagar quentinha”, afirma uma técnica no Hospital Deoclécio Marques de Lucena, em Parnamirim. O vencimento básico inicial de um técnico de enfermagem em regime de 12 plantões de 12 horas é de R$ 1.030,26, além de uma gratificação fixa de R$ 251,69. Os valores estão sem sofrer alteração desde 2014.

Em novembro, as refeições chegaram a ser suspensas por quase uma semana nos hospitais estaduais, por atraso no pagamento às empresas fornecedoras de alimentos.


Além da falta de pagamento do salário dos funcionários da JMT, os servidores da SAFE, que fazem a higienização dos hospitais, ainda não receberam o décimo-terceiro salário. A Secretaria Estadual de Saúde Pública (Sesap) informa que efetuou o repasse à Safe. [por assessoria de imprensa]

Jornalismo potiguar de luto com a morte do caicoense Orlando Caboré

O jornalismo potiguar está de luto, com a morte de Caboré, mais precisamente Caicó, onde nasceu Orlando Rangel Rodrigues há 71 anos. Irreverente ao extremo, Caboré iniciou sua carreira de jornalista ainda muito jovem e foi um dos pioneiros da Emissora de Educação Rural, inaugurada em Caicó no dia 1º de maio de 1963, anos depois ingressando no curso de Jornalismo já como os primeiros alunos da UFRN, cuja Faculdade Eloy de Souza fora transferida (encampada) para o campus da federal, em Natal, segundo retifica o jornalista Cortez que foram colegas do curso, concluído na Turma de 1979, com apenas três alunos, o outro, Dermi Azevedo.
 

No jornalismo, atuou em jornais da capital, como a Tribuna do Norte e Diário de Natal e deixou sua marca de repórter na então Rádio Cabugi, ao lado de Agnelo Alves e outros nomes consagrados do jornalismo nos anos 1970/80. Nunca esqueceu sua terra Caicó, de onde publicou revistas e jornais, com maior ênfase no período da festa da padroeira  Sant’Ana.

Nos anos seguintes, o jornalista Caboré passou a escrever livros, foram nove publicações, “a maioria de causos e besteirol puro”, como ele afirmava, embora ressaltasse que “O Fogo da Pedreira”, lançado em 2001 (foto ao lado), e “A Síndrome da Rua Grande”, em 2010, transcendem aos demais. Aliás, o texto de apresentação de O Fogo da Pedreira foi deste blogueiro-jornalista que tive a honra de ser convidado para participar da publicação cujo prefácio é do escritor e historiador Pery Lamartine (já falecido).    

Na política, Orlando Rodrigues Caboré foi vereador em Caicó e na carreira era juiz classista aposentado do Tribunal Regional do Trabalho do Rio Grande do Norte (TRT-RN), cargo que não existe mais no país.

Casado com Elisa Nóbrega, filha de João Cecílio da Nóbrega – João Baé (da fazenda Umari), teve quatro filhos: Reno, Fabió, Marielle e Thaise, e sete netos. Seus pais: Júlio Rodrigues Barbosa e Rosália Rangel.

VELÓRIO
O velório do jornalista Caboré está sendo no cemitério Morada da Paz, em Emaús, na grande Natal, e às 16h ocorrerá missa e em seguida o sepultamento. Ele faleceu na madrugada desta quarta-feira (18), na UTI do Hospital Promater, em Natal, onde estava internado vítima de hemorragia gástrica que evoluiu para outras complicações. Caboré era transplantado de rins e fazia hemodiálise há muitos anos. Há dois dias nas redes sociais fora divulgada sua morte, porém era grave seu estado de saúde.

Seu filho Fabió é casado com Eva, neta de meu tio Manoel Salviano de Araújo, do sítio Ourives.

Neste momento, rogo a Deus que o acolha na plenitude eterna e descanse em paz! Aos familiares, minha solidariedade e sentimentos de pesar.
Foto 1- reproduzida no lançamento
do livro O Fogo da Pedreira
foto 2- nos barracos em frente ao mercado público de Caicó
Foto 3- Colação de Grau Turma Jornalismo 1979 da UFRN
(do acervo de Luiz Gonzaga Cortez ao lado de Orlando Rodrigues)
Foto 4- Editor Abimael, o autor e este blogueiro, 
no Solar Bela Vista, em Natal, na noite de autógrafos.

Post atualizado com fotos

-Clique aqui e saiba sobre seu último livro: “A Síndrome da Rua Grande”.
- O fogo da Pedreira: a saga do ataque da polícia ao bando de Antônio Silvino em Caicó.    Editora Sebo Vermelho, 2001 Natal.
©2017 www.AssessoRN.com | Jornalista João Bosco Araújo - Twitter@AssessoRN

Curso de Retratos; A Arte de Fotografar Pessoas

Técnicas para fotografar adultos e crianças de forma criativa

O Retrato é uma conversa implícita, sem palavras; uma relação
entre o fotógrafo e o retratado.

SÁBADOS | das 14h às 17
horas

Período | 04 de FEV à 11 MAR
2017
Local | Engenho de Fotos (Rua Laranjeiras, 14 - Cidade Alta. Por
trás da Igreja do Galo)
Infor | [84] 3211-5436 |
http://www.engenhodefotos.com/retrato

INVESTIMENTO | R$ 350,00 à vista, débito e crédito | 3 x R$ 125,00
ou 5 x R$ 80,00 | até 18 vezespelo PagSeguro
alexgurgel@supercabo.com.br
Foto relacionada à divulgação

terça-feira, 17 de janeiro de 2017

Casa Durval Paiva arrecada material escolar e precisa de voluntários

A Sala de Apoio Pedagógico (SAP) da Casa Durval Paiva inicia uma campanha de arrecadação de material escolar para atender a demanda de início do ano letivo das 565 crianças e adolescentes em tratamento na instituição. Quem quiser ajudar pode doar: caderno (uma matéria), lápis, régua, corretivo, apontador, borracha, cola bastão e comum, massa de modelar, estojo, giz de cera, tesoura e coleção hidrocor. O material poderá ser entregue na Rua Clementino Câmara, 234, Barro Vermelho ou ainda na loja Nordestão Tirol até o dia 20/01 e na loja Cidade Jardim de 23 a 27/01, das 9 às 15h.

A Casa dá importância especial à educação e possibilita através do trabalho desenvolvido pela Sala de Apoio Pedagógico (SAP) a promoção do desenvolvimento integral de crianças e adolescentes de diversas faixas etárias, na perspectiva de minimizar as perdas educacionais ocasionadas pelas dificuldades de acesso à escola ou pelo afastamento escolar total/parcial devido ao tratamento oncológico ou hematológico crônico.

O serviço de apoio pedagógico realiza a manutenção do educando durante o tempo que for necessária sua permanência neste atendimento, no contato com a escola regular de origem do aluno e ainda na reinserção após a finalização do tratamento.

Para os alunos, o fato de estarem em tratamento não os impede de estudar e construir seu futuro. Na SAP O atendimento Escolar Hospitalar/Domiciliar não é visto como uma forma de ocupar os pacientes, mas como um direito que eles têm de continuar estudando mesmo não dispondo dos meios comuns, como na escola regular.

Outra forma de ajudar a Durval Paiva é realizando um trabalho voluntário, seja no período de férias ou mesmo durante todo o ano. São diversos setores e projetos onde se pode atuar de acordo com a disponibilidade do voluntário. O cadastro pode ser feito junto ao setor de recursos humanos da Casa, de segunda a sexta, em horário comercial. Informações: 4006-1600.

Casa de Apoio à Criança com câncer Durval Paiva
Assessoria de Comunicação
Sandra Cerqueira - Assessora de Imprensa
(84) 4006.1600/ 9981-3474/ 9622-4544
Na luta contra o câncer, quanto mais cedo, melhor!
Imagem relacionada à divulgação

SUS inclui novos procedimentos no rol de práticas integrativas

Entre os incluídos estão arteterapia, meditação e musicoterapia. As práticas integrativas e complementares valorizam o conhecimento tradicional e terapias alternativas.

Os serviços de saúde locais poderão oferecer mais tratamentos classificados como práticas integrativas e complementares (PICs) utilizando recursos federais. Foram incluídos, nesta semana, novos procedimentos na lista de práticas integrativas do Sistema Único de Saúde (SUS), que abrange recursos terapêuticos baseados em conhecimentos tradicionais. São sete novos tratamentos: sessão de arteterapia, sessão de meditação, sessão de musicoterapia, tratamento naturopático, sessão de tratamento osteopático, sessão de tratamento quiroprático e sessão de REIKI. A inclusão foi realizada por meio da Portaria N° 145/2017, publicada no Diário Oficial da União.

Os procedimentos já são realizados por vários municípios brasileiros, segundo dados do Programa de Melhoria do Acesso e da Qualidade na Atenção Básica (PMAQ-AB), mas, com as inclusões,Vo Ministério da Saúde poderá acompanhar as ações realizadas em todo o país e, com essas informações, qualificar as ações de cuidado. [Portal da Saúde > Saiba mais]



O Estado deve entrar de imediato em Alcaçuz, afirma especialista

Professor do curso de Gestão de Segurança Privada na Estácio Natal, Ricardo Balestreri avalia a recente rebelião no maior presídio do RN

No cenário de tensão na penitenciária Estadual de Alcaçuz com a rebelião que já dura quatro dias, Ricardo Balestreri, ex-secretário nacional de segurança e atual professor de Gestão de Segurança Privada na Estácio Natal, afirma que o Estado não pode ficar inerte à situação como espectador e precisa agir de imediato no espaço interno do presídio. “O Estado precisa ‘invadir’ o presídio de Alcaçuz com uso das tecnologias corretas. Não se pode assistir ao motim sem fazer nada”, alerta.

Para ele, o Governo não pode temer a ocorrência de um “segundo Carandiru”, e usar como motivo para a não atuação. “Só vão repetir a chacina no Carandiru se não fizerem da maneira correta. Uma coisa é invadir e controlar, outra é entrar para fuzilar”, coloca o professor. Na opinião dele, para esta invasão, como solução em curto prazo para o controle da penitenciária, devem ser utilizadas “armas não letais com a utilização progressiva e funcional da força”.

Após a entrada e controle da situação, conforme Balestreri, é necessário realizar um esvaziamento do presídio, em uma força tarefa com a atuação do Ministério Público, Tribunal da Justiça do RN, Defensoria Pública. “É preciso estabelecer um método rápido, retirando de imediato os presos provisórios e os de menor periculosidade”, afirma.

Em longo prazo, mas como prioridade, é necessário o Estado formar “grupos táticos de intervenção imediata para presídios”. “É preciso criar esses grupos especializados no controle de manifestações, e não precisar chamar a Policia Militar - que não possui essa especialidade. Invadir uma casa, não é mesmo que invadir uma penitenciária”, considera Balestreri. Outra solução, já em ação futura, de acordo com o especialista, é fazer uso do método APAC (Associação de Proteção e Assistência aos Condenados) para gestão das penitenciárias, contando com a parceria da sociedade organizada. “O Governo não pode achar que vai resolver tudo sozinho, sem o apoio da sociedade”, alerta.

CHACINA EM ALCAÇUZ
“São mortes anunciadas aqui no Rio Grande do Norte, e no Brasil inteiro”, afirma Ricardo Balestreri, sobre o massacre que ocorreu neste último sábado (14), na Penitenciária Estadual de Alcaçuz, maior do Estado. Vinte e seis homens foram assassinados na ocasião e há o risco de uma chacina maior, já que a rebelião continua, acumulando quatro dias de tensão no presídio.

O motim foi motivado pela disputa de mercado entre facções rivais que atuam no Estado: o Sindicato do Crime (SDC), facção aliada ao Comando Vermelho que foi alvo do ataque de sábado (14) e o Primeiro Comando da Capital (PCC), autor dos homicídios. “Além do problema da superpopulação, temos uma luta entre facções por domínio de mercado. A luta por este domínio se trava nas ruas, e também se trava dentro dos presídios que são os grandes escritórios do crime no País”, coloca Balestreri.

De acordo com Ricardo Balestreri, é um erro comemorar a guerra e morte entre os presos, como se estivesse diminuindo o número de criminosos. “O leigo pode não saber, pode achar que é interessante que os bandidos se matem. Mas essas mortes fortalecem e tornam maiores as facções. Elas criam monopólios”, afirma o professor. [por assessoria de imprensa]

Foto relacionada à publicação
Postagens mais antigas Página inicial
Copyright © AssessoRN.com | Suporte: Mais Template