acesse o RN blog do jornalista João Bosco de Araújo [o Brasil é grande; o Mundo é pequeno]


segunda-feira, 26 de junho de 2017

Hospital construído pelo Brasil no Haiti recebe nome da brasileira Zilda Arns

Unidade de saúde de referência, que atende mais de 200 pessoas por dia, passa a ter o nome da médica brasileira, morta no terremoto que atingiu a capital do país em 2010
O ministro da Saúde, Ricardo Barros, juntamente com o ministro do Desenvolvimento Social do Brasil, Osmar Terra, participaram sexta-feira (23) da cerimônia de batismo do Hospital Comunitário de Referência Dra. Zilda Arns, em Porto Príncipe, capital do Haiti. A unidade, localizada no bairro de Bon Repos, passa a levar o nome da médica brasileira que morreu vítima do terremoto ocorrido na capital haitiana em 2010. Zilda Arns foi três vezes indicada ao Prêmio Nobel da Paz.

O Hospital Zilda Arns é uma das três unidades de saúde construídas pelo Brasil no país, como parte do projeto internacional de reconstrução do Haiti. O hospital, que foi entregue ao governo haitiano em 2014, conta com aproximadamente 40 leitos e atende mais de 200 pessoas por dia em especialidades como Ortopedia, Ginecologia, Obstetrícia e Pediatria além de Clínica Geral.

Zila Arns, fundadora da Pastoral da Criança, é reconhecida mundialmente pelo trabalho humanitário voltado à redução da mortalidade infantil. [Portal da Saúde > Saiba mais]
Imagem reproduzida da internet/divulgação

domingo, 25 de junho de 2017

Tradição: O Boi Calemba

BOI CALEMBA

O folguedo se apresenta cantando cantigas do século XIX, saudações, louvações e benditos. O Boi  Calemba é composto por dezessete participantes, geralmente divididos em grupos, os Enfeitados e os Mascarados.

O folclorista Deífilo Gurgel informa no livro Manual do Boi Calemba a função de cada grupo: Compõem o primeiro grupo o Mestre da brincadeira, os Galantes e as Damas, responsáveis pelo lado sério do espetáculo. ... Os mascarados provêm a parte cômica do espetáculo. São três. Mateus, Birico e Catirina. Declamam loas, como os Galantes, entretanto, gaiatas; representam pantominas e parodiam os compenetrados Galantes, em suas antigas e atitudes.

O Boi Calemba, conforme diversos estudiosos das danças folclóricas, é a versão dos potiguares do bumba-meu-boi nordestino. Vivo na memória do natalense, este folguedo expressa riqueza da cultura norte-riograndense. Em Natal, Boi  Calemba é sinônimo de Manoel Marinheiro (Manoel Lopes Galvão), que construiu ao longo de sua vida um polo de resistência da cultura popular.

Hoje sem a presença do Mestre Manoel, a comunidade de Felipe Camarão, ainda, vinvencia as lições de amor aos folguedos ensinada por Marinheiro. Na Rua Silva, 262, transversal da Rua Rainha do Mar, encontramos um lugar de folclore, a antiga residência do Mestre Bio Calemba.

Finalmente, o Boi Calemba é um dos folguedos mais tradicionais de Natal. Há relatos desta “brincadeira” como parte de várias festas populares-religiosas, tendo como ponto alto os festejos natalinos do início do século XX. [Fonte: Cultura do RN*]

*Com post na página do Jornal Zona Sul
Foto: Adrovando Claro

sábado, 24 de junho de 2017

Música: Especial com Dominguinhos; Viva São João!

CD Especial de São João reproduz músicas com Dominguinhos:


Imagem reproduzida do cd

Festas juninas e férias aumentam estatísticas de acidentes com queimaduras; Confira como evitar acidentes

A garotada tem muito a comemorar com a chegada do mês de junho. É que com ele chegam as festas caipiras e, no próximo mês, os pequenos estarão de férias escolares. Com isso, os pais precisam ficar em alerta para evitar acidentes graves como queimaduras.
Nas festas caipiras os acidentes podem ocorrer com o uso de balões inflamáveis, fogueiras e caldos quentes, e as férias escolares das crianças, quando muitas delas soltam pipas às vezes em locais com fios de alta tensão, são fatores que podem contribuir para o crescimento de ocorrências neste mês.

O manuseio incorreto de líquidos quentes como óleo e água, são alguns dos vilões que provocam acidentes dentro de casa. É preciso destacar que as crianças são vítimas mais frágeis a uma queimadura pelo fato de a pele ser mais fina e haver uma camada de gordura menor que nos adultos, deixando os órgãos mais perto da pele, o que pode agravar o ferimento. [Blog da Saúde > Confira dicas para evitar acidentes]

Foto relacionada à divulgação 

sexta-feira, 23 de junho de 2017

Policiais e bombeiros militares ganham data em nível nacional celebrada em 24 de junho

Dia 24 de junho é o Dia Nacional do Policial Militar e do Bombeiro Militar

A data foi sancionada nesta segunda-feira (19), uma conquista para todos os policiais e bombeiros que dedicam suas vidas para proteção e defesa da sociedade e agora contam com um reconhecimento nacional

Os policiais e bombeiros militares estaduais receberam uma homenagem especial. A partir deste ano de 2017, no dia 24 de junho será celebrado o Dia Nacional do Policial e Bombeiro Militares. A lei 13.449/2017 foi sancionada e publicada nesta segunda-feira (19). Apesar da determinação ser uma conquista para a categoria, ela promove também uma reflexão sobre o profissional da segurança e suas condições de trabalho. Especialmente no contexto atual, em que o Rio Grande do Norte registrou 13 mortes de policiais militares e agentes de segurança neste ano. E, somente em junho, três policiais militares foram mortos.

Para o presidente da Associação dos Subtenentes e Sargentos Policiais e Bombeiros Militares do RN (ASSPMBMRN), Eliabe Marques, a sanção é uma conquista importante, pois pela primeira vez os militares estaduais têm uma data específica para serem homenageados – até então, era comemorado no dia do policial, que inclui o militar, civil e federal. “Infelizmente, porém, não temos muito a celebrar, mas é um momento para a sociedade refletir sobre estes profissionais que dedicam suas vidas para cuidar e proteger outras vidas. E para nós, policiais e bombeiros, é uma data para nos fortalecermos e revindicarmos condições de vida e trabalho”, aponta Eliabe Marques.

Em vez de comemoração, a data, de acordo com Eliabe, serve para ponderar sobre o aumento da violência e as ações de combate ao crime. “A instituição da data acontece em um momento muito delicado. Vivemos uma situação preocupante de violência contra os policiais, e cobramos ao Governo do Estado medidas enérgicas para que fortaleçam o trabalho policial a fim de termos condições estruturais para o combate ao crime”, ressalta o presidente da ASSPMBMRN.

Homenagem a cabo morto em Belo Horizonte

A Lei é decorrente do Projeto de Lei da Câmara (PLC) 42/2016, de autoria do deputado federal subtenente Gonzaga. A data escolhida, 24 de junho de 1997, remete ao dia em que cabo Valério dos Santos Oliveira foi atingido, aos 36 anos, por bala perdida durante um protesto da Polícia Militar em Belo Horizonte, onde lutava por melhores condições de trabalho e de salário. O militar morreu em decorrência do disparo. [por assessoria de imprensa]

Luta em defesa da pesquisa científica volta a debate por reitores do RN

FÓRUM DE REITORES LUTA PARA SALVAR A PESQUISA POTIGUAR

Reunidos em caráter extraordinário na tarde dessa sexta-feira, 23, o Fórum de Reitores do RN discutiu saídas para a liberação de recursos orçamentários do Estado do Rio Grande do Norte destinados este ano à pesquisa. Convidado do Fórum, o presidente da Fundação de Apoio à Pesquisa e do RN (FAPERN), Uilame Umbelino Gomes, expôs que a fundação estadual “está totalmente parada por falta de dinheiro, inclusive para pagar as bolsas de pesquisa”.

A preocupação dos gestores das instituições públicas de ensino superior do Estado é que pesquisas que não podem parar estejam prejudicadas por falta de continuidade. Por isso, há mais de um mês articulam junto aos gestores estaduais e aos parlamentares da Comissão de Educação, Ciência e Tecnologia da Assembléia Legislativa (ALRN), a liberação de parte dos recursos destinados este ano à fundação.

Constituído pelos reitores da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN), Instituto Federal do Rio Grande do Norte (IFRN), da Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA), o Fórum é presidido pela reitora da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), Angela Maria Paiva Cruz. [por Sirleide Pereira – Ascom-Reitoria/UFRN]

Arraial da Boa Vontade neste sábado Dia de São João

Festa terá programação especial com apresentações culturais com crianças e idosos atendidos pela Instituição

Neste sábado (24/6), às 9 horas, a Legião da Boa Vontade (LBV) promoverá o seu Arraial da Boa Vontade, com apresentações musicais, brincadeiras, comidas típicas entre outras atrações. A festividade acontecerá na Escola Municipal Monsenhor Joaquim Honório, localizado à Rua Presidente Mascarenhas, 768, Bairro Alecrim.

Na programação estão previstas apresentações de dança junina com os meninos e meninas atendidos pelo programa Criança: Futuro no Presente!, e apresentação cultural dos idosos do programa Vida Plena.

Traga a sua família e amigos e venha participar do Arraial da Boa Vontade, que tem como lema “Divirta-se, mas faça Caridade”. O evento acontece na Escola Municipal Monsenhor Joaquim Honório, localizado à Rua Presidente Mascarenhas, 768, Bairro Alecrim. Informações: (84) 3613-1655. Ou acesse o site: www.lbv.org

SERVIÇO:
Arraial da Boa Vontade
Dia: 24/06/17 – Horário: 9h às 12h
Local: Escola Municipal Monsenhor Joaquim Honório
Rua Presidente Mascarenhas, 768, Bairro Alecrim.
Informações: (84) 3613-1655
Setor de Relacionamento Institucional da LBV/RN
E-mail: arivaldos@lbv.org.br
Foto: Wallace Freire

Reitores do RN fazem apelo para fomento à pesquisa científica

Soluções para a situação financeira da Fundação de Apoio à Pesquisa do Rio Grande do Norte (Fapern) foram discutidas em audiência pública nessa última quinta-feira, 22, na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte (ALRN), por iniciativa da Comissão de Educação, Ciência e Tecnologia da casa. Representantes do Fórum de Reitores do RN e da Fapern fizeram um apelo pela regularização das contrapartidas estaduais à fundação, que nos últimos anos enfrenta uma grave crise que afeta o financiamento de pesquisas realizadas nas Instituições de Ensino Superior (IES) potiguares.

Criada em 2003, a Fapern tem como missão apoiar e fomentar a realização da pesquisa científica, tecnológica e a inovação para o desenvolvimento humano, social e econômico do RN. Os recursos para sua manutenção estão previstos na Constituição Estadual e na legislação pertinente, porém, neste ano houve repasse de apenas 3% do que estava previsto na Lei Orçamentária Anual (LOA).

O diretor-presidente do órgão, Uilame Umbelino Gomes, explicou que sem a contrapartida do estado torna-se impossível captar recursos de agências nacionais como a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e a Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), que garantem o fomento a projetos de pesquisa, à concessão de bolsas, à infraestrutura, entre outras necessidades para a produção científica e tecnológica local.

“Queremos mostrar ao estado e à sociedade que a sustentabilidade da fundação não se trata de uma despesa, mas sim de um investimento que gera emprego e desenvolvimento”, ressaltou. A reitora da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) e presidente do Fórum de Reitores, Angela Maria Paiva Cruz, solicitou urgência na resolução do problema que compromete a geração de conhecimento.

 “Todas as conquistas da humanidade são resultado de estudos, da ciência. Pedimos socorro para a nossa fundação de apoio, sem a qual corremos o risco de descer ladeira abaixo e engatinhar para o futuro. Não se realiza desenvolvimento sem uma fundação de apoio forte”, destacou a reitora, que defendeu uma reforma na legislação estadual para embasar a sustentabilidade da Fapern. O vice-reitor da UFRN, José Daniel Diniz Melo, adicionou que é preciso garantir recursos ainda em 2017 e assegurar os repasses de 2018.

Os deputados estaduais Fernando Mineiro, Hermano Morais e Cristiane Dantas solicitaram uma nova reunião no início da próxima semana para receber as propostas do grupo e se comprometeram em estudar possíveis emendas para a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO). Os parlamentares ainda se disponibilizaram a intermediar uma reunião com os secretários estaduais de Desenvolvimento Econômico e Planejamento, Flávio Azevedo e Gustavo Nogueira, para tratar dos repasses à fundação. [Marina Gadelha – ASCOM – Reitoria/UFRN]
Fotos relacionadas à divulgação

Maternidade Escola Januário Cicco realiza I Simpósio de Diabetes Gestacional

Evento promoveu o debate acerca dos protocolos assistenciais, da atualização dos avanços e das inovações nas pesquisas em diabetes durante a gestação.

A Maternidade Escola Januário Cicco, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (MEJC-UFRN), realizou nesta quinta (22) e sexta (23), o I Simpósio de Diabetes Gestacional no auditório do Centro de Ciências da Saúde (CCS).

Um dos temas mais esperados do evento foi o da Professora titular do Departamento de Ginecologia e Obstetrícia da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (FMRP-USP), Elaine Christine Dantas Moises. Especialista renomada no tema de diabetes gestacional, a médica apresentou o panorama da realidade da diabetes no Brasil e no mundo, e trouxe um pouco da prática do serviço realizado pela FMRP e de seu impacto social.

“A Organização Mundial da Saúde (OMS) revela que em 1980, o número de pessoas diabéticas no mundo era de 108 milhões e, em 2014, subiu para 422 milhões. O Brasil está em 4º lugar no ranking de países com o maior número de pessoas diabéticas na faixa de 20 a 70 anos”, afirma a especialista.

É o caso de Raquel de Araújo Oliveira, 26 anos, moradora da cidade de Natal, diagnosticada diabética prévia. “Faço uso de medicamentos para controle da de glicemia desde a época em que fui diagnosticada com o problema, após engravidar, precisei mudar a medicação, mas mesmo assim, tive que ser internada para ajustar a dosagem da insulina e, consequentemente, melhorar a taxa de açúcar no sangue”, diz a paciente hospitalizada na enfermaria de alto risco da maternidade.

Para Elaine Moises, a explicação está na grande mudança do estilo de vida dos brasileiros nas últimas duas décadas, com o aumento do consumo de açúcar e na redução de atividades física. “Em consequência disso, a população se tornou obesa. É comprovado que mais de um a cada três adultos são classificados com sobrepeso e a população feminina brasileira, segundo o Ministério da Saúde, sofreu um aumento de 6% na taxa de obesidade, durante o período gestacional, acarretando em síndromes metabólicas”, disse.

Para o futuro, estima-se que em 20 anos, o número da população diagnosticada com diabetes no Brasil aumentará em 9 milhões. Uma criança exposta ao ambiente intrauterino hiperglicêmico tem seu futuro pré-determinado porque a mãe é hiperglicêmica. Por isso a Federação Internacional de Geriatria e Obstetrícia (FIGO), propõe para o mundo que a gestação se torne uma janela de oportunidades de atuação assistencial.

“A gestação é o momento em que se olha para a mulher. É uma oportunidade de trata-la não só no pré-natal e no parto, mas sim estabelecer protocolos, serviços humanizados, assistências multiprofissionais e políticas de saúde, prevenindo sobretudo doenças maternas e repercussões na vida adulta da criança e, por consequência, melhorando a saúde populacional como um todo”, comenta a Elaine.

Sobre a maternidade

A MEJC é um centro de referência na gestação de alto risco, em cirurgias e endoscopia ginecológicas, na reprodução assistida e nos ambulatórios especializados de ginecologia, sendo símbolo de excelência no atendimento da mulher e dos recém-nascidos no Rio Grande do Norte desde 1950.

Desempenha um importante papel na formação de recursos humanos e no desenvolvimento de pesquisas na área da saúde e desde 2013 integra a rede de hospitais universitários federais geridos pela Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh), estatal vinculada ao Ministério da Educação que tem o objetivo de, em parceria com as universidades, aperfeiçoar os serviços de atendimento à população, por meio do Sistema Único de Saúde (SUS), e promover o ensino e a pesquisa nas 39 unidades filiadas espalhadas pelo Brasil.
João Pedrosa
Relações Públicas
Maternidade Escola Januário Cicco
Foto relacionada à divulgação

Missa na Catedral Metropolitana abre I Congresso Mariano em Natal nesta sexta (23)

A missão de Natal da Comunidade Católica Shalom promove, a partir desta sexta-feira (23) até domingo (25), o I Congresso Mariano, no Praiamar Hotel. Com o tema "Fazei tudo que Ele vos disser" (Jo. 2,5), a abertura acontece hoje, às 19h, com uma missa na Catedral Metropolitana de Natal. A palestrante do evento será a co-fundadora da Comunidade Shalom, Emmir Nogueira.

Autora de mais de 30 livros, Maria Emmir Oquendo Nogueira é co-fundadora e formadora geral da Comunidade Católica Shalom. Já escreveu os livros: Na fenda da Rocha, És precioso, Belo é o amor humano, Anjos nossos de cada dia, Filho de Deus menino meu, Leve a sério sua vida espiritual, Mãe de nossa fé e Tecendo o Fio de Ouro. Recentemente, lançou pelas Edições Shalom o livro "As alegrias de Maria". Em Abril de 2017, foi contemplada com o Prêmio RioMar Mulher na categoria Trabalho Social.

O investimento é de R$ 60 reais, com pagamento à vista ou no cartão. Os ingressos estão disponíveis na Livraria Shalom, localizada na Avenida Hermes da Fonseca (Ao lado do Colégio Instituto Maria Auxiliadora), ou online através site: congressomariano.eventbrite.com.br. As inscrições também podem ser feitas durante o evento.

PROGRAMAÇÃO:
Sexta-feira (23)
Missa - às 19h, na Catedral Metropolitana de Natal.

Sábado (24)
8h30 às 18h, com missa às 16h30.

Domingo (25)
8h30 às 19h, com missa às 17h.

SERVIÇO:
I Congresso Mariano
Data: 23/06 a 25/06
Local: Praiamar Hotel (R. Francisco Gurgel, 33 - Ponta Negra)
Investimento: R$ 60 reais (Livraria Shalom, localizada na Avenida Hermes da Fonseca) ou no site: congressomariano.eventbrite.com.br.
Informações: 98171.2870 (Whatsapp)
pascom@arquidiocesedenatal.org.br
Imagem relacionada à divulgação

quinta-feira, 22 de junho de 2017

Sessão solene em homenagem aos 100 anos do Movimento Escoteiro no RN

Em sessão solene nesta sexta-feira (23), a Assembleia Legislativa do RN presta homenagem aos 100 anos do escotismo em terra potiguar. O evento, com proposição do deputado Jacó Jácome, será realizado no Plenário da AL, a partir das 9 horas  na Praça 7 de Setembro, em Natal.

No ato solene serão homenageados, in memoriam, pessoas que tiveram comprometimento com o movimento escoteiro potiguar, além de entidades e grupos de escoteiros no Estado.

No Rio Grande do Norte, o Movimento Escoteiro foi fundado em 24 de junho de 1917, pelo então vice-governador do Estado, Henrique Castriciano. No entanto, o Movimento Escoteiro foi criado uma década antes, em 1907, na Inglaterra, por Baden Powell, e chegou ao Brasil em 1910, através  de Oficiais e Praças da Marinha Brasileira que estavam na Europa.

Homenagem na Câmara
Ainda em homenagem aos 100 anos de história do Escotismo no Rio Grande do Norte, a Câmara Municipal de Natal realizou, na segunda-feira (19), uma sessão solene, por proposição da vereadora Nina Souza.
Imagem relacionada à divulgação/
convite

©2017 www.AssessoRN.com | Jornalista João Bosco Araújo - Twitter @AssessoRN

Artigo Casa Durval Paiva: O “ser” professor na classe hospitalar

Por Gabriella Pereira do Nascimento
Coordenadora Pedagógica - Casa Durval Paiva

            Professor – uma palavra que traz com ela uma diversidade de significados. Nos remete diretamente ao local onde passamos grande parte da nossa vida – a escola. Essencialmente, é aquela pessoa que nos ensina uma diversidade de saberes, que troca, que provoca e media as relações entre o aprendente e o aprendizado. É aquele que nos estimula a aprender mais, é o parceiro, amigo, até confidente. Às vezes, é também a figura que dá medo, não da pessoa, mas daquele conteúdo que insiste em não ser compreendido, dos testes, dos trabalhos e das tão temidas provas! Quem não tem um nome guardado na memória daquele professor que marcou a sua própria história?
             Tantos são os papéis assumidos pelo professor durante o processo de desenvolvimento humano que, por vezes, se confundem com a nossa própria história de vida. Mas, quando parte desta história é marcada por um diagnóstico médico devastador, estará comprometida a relação do aluno com este profissional? Com a escola? Com o seu aprendizado?
            Para muitas crianças e adolescentes é dentro do hospital que o reencontro com o professor acontece. Diante de tamanha incerteza sobre a condição de saúde e perspectiva de vida, há um profissional disposto a fazê-la pensar no futuro, a substituir o vazio ocasionado pelo medo do tratamento médico, por um leque gigantesco de aprendizado e perspectiva de futuro.
            É na classe hospitalar ou na escola do hospital que a educação alcança novamente os educandos, sendo um momento de segurança diante de tantas incertezas, pois é através dela que o contato com o universo do lado de fora do hospital acontece, que a rotina de vida é reestabelecida (na medida do possível) e que a oportunidade de um novo encontro com a aprendizagem acontece.
            No ambiente hospitalar, a práxis pedagógica sobressai ao que se estabelece nas escolas regulares. Neste ambiente, aliar o conhecimento e o afeto é essencial para o desenvolvimento das ações educativas. A exigência vai além da transmissão dos conteúdos escolares, mas também precede o conhecimento, mesmo que mais superficial, das práticas terapêuticas, procedimentos médicos estabelecidos, os diagnósticos, bem como, os desdobramentos tanto físicos, quanto psicológicos, ocasionados pela doença.
            É necessário compreender o quadro de saúde do aluno e trabalhar respeitando sua condição física e mental, levando em consideração, principalmente, os sentimentos do educando (medo, agressividade, resistência, incertezas, dentre outros). Nesse sentido, há uma troca constante de aprendizado. Quem ensina aprende e quem aprende ensina, constantemente.
            Em meio a essa troca de aprendizado, o professor aperfeiçoa sua prática e, por vezes, trabalha transformando os procedimentos e a rotina hospitalar em um meio de aquisição de conhecimentos, de forma lúdica, utilizando o contexto do aluno como ferramenta de ensino aprendizagem.
            As atividades na classe hospitalar exigem também do profissional grande flexibilidade e criatividade relacionada a transmissão dos conteúdos. O trabalho com viés lúdico e interdisciplinar é a base forte para a construção de um processo educativo significativo, pois faz com que o aprendizado ocorra de maneira prazerosa, sobressaindo às dores, medos e incertezas do tratamento médico. Sugere-se que as atividades ocorram com início, meio e fim no mesmo dia.
            Além da relação direta com o aprendente, o professor também assume papéis significativos para a família. Por vezes, atua com interlocutor entre a equipe médica, o paciente e seus entes. Por meio do diálogo estabelecido, se formam os vínculos de confiança, o que possibilita uma atuação mais significativa dentro da sala de aula.
            Diante de tantos papéis, de tamanhas exigências, da diversidade de particularidades e da abrangência de possibilidades educativas, é importante compreender que antes de profissional, o professor é humano e é exatamente nesse ínterim que o cuidado deve ser redobrado. Trabalhar na classe hospitalar exige tamanho cuidado físico e psicológico, cabe continuamente autorreflexões sobre sua prática diária, seu envolvimento com a profissão, bem como, com os alunos e familiares.
            Atuar no ambiente hospitalar é também lidar com a possibilidade de perdas a todo o momento na rotina de tratamento médico das crianças e adolescentes. Nesse contexto, é preciso antes de tudo respeitar os limites do outro, atuando com ética e humanidade, mas também respeitar os próprios limites, criando estratégias de enfrentamento das dificuldades, observadas no cotidiano da classe hospitalar.
            O Ser professor no hospital é, assim, ser para si e para o outro. É pensar e atuar na educação com respeito aos direitos do aluno e de suas necessidades educacionais. É assumir o papel de provocador e mediador não somente de conteúdos formais, mas estar pronto para ouvir os mais diversos questionamentos sobre o tratamento médico; é estar pronto para ganhar e perder na batalha da vida, mas, principalmente, é possibilitar, enquanto possível for, o acesso à uma educação significativa e de qualidade, pois o futuro na classe hospitalar, é já.
Assessoria de Imprensa
Casa Durval Paiva (84) 4006-1600/9981-3474/9622-4544
Na luta contra o câncer, quanto mais cedo, melhor!
Foto relacionada à divulgação

Vereadores aprovam lei para criação de parques tecnológicos na capital

O Projeto de Lei para a criação de área destinada à instalação de parques tecnológicos foi aprovado pelos vereadores do município de Natal, que votaram em segunda discussão nesta quarta-feira, 21, durante sessão ordinária itinerante no bairro de Nazaré. A iniciativa concede incentivos fiscais a empresas de Tecnologia da Informação e a Instituições Científicas e Tecnológicas (ICTs) que se implantarem em áreas estratégicas, com a redução de 5% para 2% no Imposto Sobre Serviço (ISS), 30% no Imposto de Transmissão Inter Vivos de Bens Imóveis (ITIV), além de redução no IPTU e isenção total na licença de localização. Após a aprovação com uma nova emenda em sua redação, o texto segue para sanção do Poder Executivo municipal.

O reitor em exercício da UFRN, José Daniel Diniz Melo, comemorou a votação em favor do projeto idealizado pela instituição e proposto pelo prefeito de Natal, Carlos Eduardo Alves. “Mais que atrair empresas e gerar impostos, este será um benefício social para o município ao gerar empregos de alta qualificação e incentivar o empreendedorismo na área de TI”, afirmou. A universidade já tem uma proposta para a instalação do Parque Tecnológico Metrópole Digital, que será encaminhada ao Conselho Municipal de Ciência e Tecnologia (COMCIT) após a sanção do Projeto de Lei.

Os vereadores responsáveis pela aprovação compartilharam a satisfação de contribuir para o desenvolvimento local. “Estamos votando a favor do povo da nossa cidade”, ressaltou o parlamentar Dinarte Torres. Sandro Pimentel destacou a importância da iniciativa para o desenvolvimento da qualificação, da inovação e da tecnologia, enquanto Nina Souza vislumbrou um futuro promissor para Natal. “O parque tecnológico trará um novo mundo para a cidade, que precisa se abrir para o recente mercado de TI”, citou.

O presidente da Câmara Municipal, Raniere Barbosa, agradeceu aos representantes da UFRN pelo apoio nas discussões para melhoria do projeto, cujo conteúdo foi debatido por mais de um ano. Daniel Diniz retribuiu o agradecimento a todos os parlamentares, especialmente aos que se empenharam pela celeridade da tramitação, e estendeu o reconhecimento ao prefeito Carlos Eduardo pela proposição inicial.

O diretor do Instituto Metrópole Digital da UFRN, José Ivonildo Rêgo, o gerente da incubadora Inova Metrópole do IMD, Anderson Cruz, e o pró-reitor de Pesquisa da instituição, Jorge Falcão, também acompanharam a votação. [Marina Gadelha – ASCOM/ Reitoria/UFRN]

Foto relacionada à divulgação/
Cícero Oliveira

Como as empresas podem se proteger de ataques cibernéticos

Os vírus ransomware ainda são ameaça iminente aos computadores de todo o mundo, por isso as empresas devem continuar se prevenindo, alerta especialista

No mês de maio um ataque cibernético de grandes proporções atingiu organizações de todo o mundo através de uma campanha de ransomware, em que os computadores são invadidos por um vírus que codifica e capta todos os tipos de arquivos. Os invasores, então, chantageiam os proprietários das máquinas e ameaçam destruir, ou tornar públicos, os arquivos, caso não recebam dinheiro.

Ataques de vírus em computadores de mais de 74 países alertaram às empresas para os cuidados que devem ser tomados a fim de evitar prejuízos. A ameaça explora a vulnerabilidade das organizações, em especial informações contábeis, exigindo cuidados dobrados. Em Natal, a empresa de contabilidade Rui Cadete Consultores e Associados não foi atingida por qualquer vírus, mesmo com uma estrutura de mais de cem computadores. “A proteção passa por alguns cuidados básicos, como evitar abrir e-mails desconhecidos, desativar os acessos remotos das máquinas e validar sempre se o ambiente está com as últimas atualizações de vacinas da solução”, comenta Ethel Mesquita, diretora de T.I. da Rui Cadete. Ela recomenda a atualização constante do sistema operacional e o backup de todos os arquivos em nuvem para preservação de dados valiosos.

O treinamento da equipe de colaboradores da empresa torna-se tão importante quanto lançar mão dos recursos tecnológicos de prevenção contra uma das maiores ameaças cibernéticas da atualidade. Cerca de 250 instituições brasileiras foram afetadas pelo ataque global de hackers e, segundo a empresa de segurança Karpersky, o Brasil é o sexto país mais vulnerável a vírus do tipo ramsonware. “As empresas precisam ter um plano estratégico interno em segurança, pois há cuidados simples que podem ser tomados para evitar problemas”, reforça Ethel.

Mais de 300 mil computadores já foram atingidos pelo vírus, que ainda é uma ameaça iminente. Desta forma, as empresas devem continuar investindo em proteção. Uma dica fundamental, segundo Ethel, é a instalação de um bom antivírus, pois estes programas são capazes de identificar uma ameaça e deter um possível ataque. [por assessoria de imprensa]

Artigo Casa Durval Paiva: Reações adversas da quimioterapia em crianças e adolescentes

Por Isabelle Medeiros Resende
Farmacêutica - Casa Durval Paiva
CRF 2541

A reação adversa a medicamentos, também conhecida como (RAM), é um efeito indesejado e não intencional que pode ocorrer durante o uso de medicamentos, de acordo com a dose administrada. A quimioterapia, que é necessária e essencial para o sucesso do tratamento do câncer infantil pode causar desconforto ao paciente, provocando as reações adversas, dentre elas, cansaço, perda de apetite, dores nas pernas e braços, diarreia, vômito, dor na barriga, ferida na boca, queda de cabelo e inchaço.

Estudos relatam que vômito e diarreia são as reações mais frequentes no processo de quimioterapia, promovendo alterações do sistema fisiológico e emocional, o que pode causar ansiedade e medo, podendo retardar o tratamento. É importante lembrar e orientar o paciente quanto às consequências da quimioterapia, pois ele é o responsável pela adesão ao tratamento. Ainda não existe um medicamento que possa anular as reações adversas à quimioterapia, existem formas de amenizar esses efeitos, ajustando a dose e identificando as medicações utilizadas no tratamento.

Os medicamentos utilizados durante o tratamento de quimioterapia em crianças e adolescentes como anti-heméticos, analgésicos, antidiarreicos, corticoides, dentre outros; requerem uma maior atenção por apresentar reações adversas maiores. Embora estas ocorram, a quimioterapia ainda é a oportunidade de tratamento e cura. Os medicamentos quando tomados de acordo com a prescrição médica e respeitando os horários reduzem as reações. A ingestão de água e a alimentação saudável também contribuem para a melhora.

Mesmo que durante o tratamento a rotina da criança e do adolescente sofra algumas alterações, é importante o apoio da família para que o paciente se encoraje e não se sinta incapaz de, quando possível, realizar as atividades do cotidiano. Existem também outros medicamentos que podem ocasionar inchaço, pois aumentam o apetite, mas, são necessários, pois atuam prevenindo inflamações e também como antialérgicos.

No apoio ao tratamento da criança e adolescente com câncer, assistidos pela Casa Durval Paiva, proporcionamos assistência farmacêutica aos pacientes, como forma de ajudar no autocuidado, dispensa os medicamentos para minimizar as reações adversas ocasionadas pela quimioterapia. Também buscamos associar outras medidas terapêuticas além do tratamento convencional, para melhor enfrentamento da doença. Nesse contexto, é essencial o respeito à história de vida de cada paciente, fornecendo orientações que proporcionem segurança e maior adesão ao tratamento.
Assessoria de Imprensa
Casa Durval Paiva (84) 4006.1600/9981-3474/9622-4544
Na luta contra o câncer, quanto mais cedo, melhor!
Foto relacionada à divulgação

PROERD forma mais de 400 alunos em escolas da zona norte de Natal

Na manhã desta quarta-feira (21), mais uma turma do Programa Educacional de Resistência às Drogas (Proerd) da Polícia Militar do Rio Grande do Norte formou mais 403 alunos. O evento aconteceu na Escola Municipal Laércio Fernandes, no Vale Dourado, e contou com a presença da secretária da Segurança do RN, Sheila Freitas.

Desta vez foram beneficiados estudantes da Escola Municipal Laércio Fernandes e do Centro Municipal de Educação Infantil (CMEI) Professora Francisca Martins, ambos localizados no bairro de Nossa Senhora da Apresentação, zona Norte de Natal.

Somente neste primeiro semestre, foram 7 mil alunos atendidos em todo o Estado. Para o final do ano a estimativa é ultrapassar os 15 mil alunos atendidos somente em 2017.

A PMRN, através do Proerd, colabora com as escolas e com as famílias na formação ética e cidadã dos alunos, na prevenção ao uso de drogas e na valorização da vida por uma sociedade mais segura, saudável e responsável. [Assessoria Imprensa Sesed]

Foto relacionada à divulgação

DATASUS/RN realizará capacitação para implantação do E-SUS AB e prontuário eletrônico nas unidades municipais de Saúde de Natal

O Núcleo Estadual do Ministério da Saúde no RN, através do Departamento de Informática do SUS, está apoiando, em parceria com a Secretaria Municipal de Saúde do Natal (SMS), a implantação do E-SUS AB e Registro Eletrônico nas unidades de Saúde da capital. A etapa da capacitação ministrada por profissionais do DATASUS será realizada em julho próximo, na sede do NESM/RN, em Natal.

A parceria para fomentar o treinamento foi solicitada pela SMS Natal, conforme disponibiliza a Portaria 1.419/GAB/MS, de 8 de junho de 2017, que define as novas ações dos Núcleos do Ministério da Saúde nos Estados (Art. 178 - 184).

No âmbito da SMS, as atividades foram iniciadas em março, para o treinamento e sensibilização dos profissionais de Saúde da Rede de Saúde de Natal, porém, a programação na sede do NEMS/RN ocorrerá de 17 a 20 de julho, visando fomentar a implantação do prontuário eletrônico do cidadão - PEC ESUS AB, como também a Introdutória para profissionais médicos, enfermeiros e dentistas. Ainda de acordo com a programação da SMS Natal, a capacitação continuará até 27 de julho, in loco, nas unidades pilotos.

Locais e datas do evento no NEMS/RN

●Auditório do Núcleo – 1º andar: Manhã do dia 17/07
●Laboratório de Informática DATASUS/RN – 6º andar: Tardes dos dias 17, 18 e 19 
  e manhãs dos dias 19 e 20/07.
Com informações do DATASUS-NEMS/RN
Imagem reproduzida da intenent/divulgação

Servidor da equipe de Segurança da UFRN baleado durante trabalho noturno passa bem

Liberado pelo Hospital Walfredo Gurgel, o servidor da Diretoria de Segurança Patrimonial (DSP) da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) baleado no braço, durante tiroteio ocorrido na noite de ontem, quarta-feira (21), no Anel Viário do campus central da universidade, está em casa e passa bem.

De acordo com a Assessoria de Comunicação da Reitoria, um dos quatro assaltantes continua internado, sem risco de morte. O fato ocorreu durante fuga de marginais em dois carros, após assalto a uma residência no bairro de Capim Macio, em Natal. Ainda segundo a assessoria, ao se aproximar do carro enguiçado nas proximidades do Setor II de Aulas, a equipe da DSP foi recebida a tiros. A ocorrência está registrada na Delegacia de Plantão da Zona Sul e o caso será acompanhado pelas Polícias Militar (PM) e Civil (PC).

Artigo Casa Durval Paiva: A terapia ocupacional e a influência de uma equipe multidisciplinar

Por Lady Kelly Farias da Silva
Terapeuta Ocupacional - Casa Durval Paiva
Crefito: 14295-TO

Você já se perguntou quem são os profissionais que atuam no tratamento do câncer infantojuvenil? Talvez não tenha parado para pensar quem é a equipe que faz parte da reabilitação psicossocial desse paciente, que não tem somente a cura como objetivo, mas que leva em consideração a importância de proporcionar melhor qualidade de vida em todos os aspectos, consequentemente, visando menor índice de recidiva e com reduzidas sequelas.

Trata-se de uma equipe de profissionais da área da saúde, que atua paralelo aos atendimentos médicos e as abordagens tradicionais, que incluem cirurgias e tratamento medicamentoso. Essa equipe tem como objetivo contribuir para que o paciente retorne à vida social nos mais diversos contextos, quer seja na família, na escola, no trabalho, após um longo período de tratamento, inúmeras internações, grande insegurança e baixa autoestima, como por exemplo, devido às mudanças na autoimagem, como é o caso da queda de cabelo, que interfere diretamente no fator emocional dos pacientes, dentre outros fatores que contribuem negativamente na evolução de cada caso.

O tratamento integral ainda é um novo modelo terapêutico, já que antes se pensava em sucesso do tratamento simplesmente por manter o paciente vivo, não levando em consideração às possíveis sequelas posteriores às intervenções. Atualmente, entende-se que é possível viver com qualidade em todos os aspectos.

É impossível não citar, quando se fala em equipe multidisciplinar, a importância das casas de apoio para os pacientes e seus familiares, que também necessitam de um cuidado especial, por terem suas rotinas modificadas, inclusive com o afastamento temporário ou até mesmo definitivo do trabalho, como é o caso da Durval Paiva, que acolhe esse público a fim de proporcionar um trabalho de excelência e humanização, resultado esse que se consegue através de profissionais que consideram a complexidade no tratamento de alguns pacientes e que, por isso, possuem um olhar diferenciado, disposto a devolver ao paciente o mínimo de dignidade.

No caso da Casa de Apoio Durval Paiva, especificamente, a equipe é composta por assistentes sociais, pedagogas, técnico em informática e arte educadora que fazem parte do contexto da área da saúde, além de psicóloga, nutricionista, dentistas, terapeuta ocupacional, fisioterapeuta e farmacêutica, que tem como objetivo preservar, manter, desenvolver e restaurar, assim como, prevenir os possíveis comprometimentos consequentes da doença ou do tratamento, enxergando os pacientes e familiares como seres únicos, levando em consideração seus desejos, para que de fato a qualidade pretendida seja alcançada.

O terapeuta ocupacional na oncologia pediátrica trabalha junto à equipe multidisciplinar, priorizando o cuidar de forma humanizada; busca minimizar o sofrimento independente da fase de tratamento, desde o diagnóstico até os cuidados paliativos. É considerado que o paciente durante essa fase de adoecimento possui sua rotina modificada, as atividades básicas da vida diária como o brincar, estudar, passear e divertir-se, tornam-se secundárias, neste caso, em se tratando de crianças e adolescentes, o brincar torna-se um importante recurso terapêutico, já que é por meio da brincadeira que torna-se possível desenvolver as potencialidades, a capacidade de transformar e criar, proporcionar a sociabilidade com outras crianças, favorecer o desenvolvimento psicomotor e ainda estimular as atividades da vida diária (AVD’s), visando a independência e a autonomia, levando em consideração as limitações físicas e emocionais, ou seja, ressignificando a vida.

A equipe multidisciplinar caminha por uma ponte em direção a um único objetivo: os pacientes e seus acompanhantes, buscando proporcionar o mínimo de qualidade que tanto necessitam, em um momento onde as incertezas e o medo predominam e a equipe está pronta para acolher e minimizar os fatores tanto físicos, quanto emocionais, para que possam, de fato, passar por esta fase da forma mais humanizada possível.
Assessoria de Imprensa
Casa Durval Paiva - (84) 4006.1600/ 9981-3474/ 9622-4544
Na luta contra o câncer, quanto mais cedo, melhor!
Foto relacionada à divulgação

quarta-feira, 21 de junho de 2017

Especialistas alertam gestantes sobre os riscos e cuidados na Diabetes Gestacional

No Brasil, segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), a prevalência estimada é de cerca de 8% entre as gestantes com mais de 20 anos e representa 37% das mortes maternas.

O diabetes gestacional, assim como os demais tipos de diabetes, acontece quando o corpo não consegue produzir quantidade suficiente de insulina, hormônio produzido pelo pâncreas e que controla a quantidade de açúcar no sangue. Definido pelo Ministério da Saúde como a intolerância aos carboidratos, com intensidades variadas e diagnosticado pela primeira vez durante a gestação - podendo ou não continuar depois do parto -, o diabetes na gravidez é identificado geralmente a partir da 24ª semana de gestação, sendo desenvolvido por cerca de 3 a 25% das mulheres grávidas.

Durante os próximos dois dias (22 e 23) especialistas no assunto estarão reunidos no I Simpósio Científico de Diabetes, promovido pela Maternidade Escola Januário Cicco da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (MEJC-UFRN). O evento que acontece no auditório do Centro de Ciências da Saúde (CCS) promoverá o debate acerca dos protocolos assistenciais, a atualização dos avanços e das inovações nas pesquisas em diabetes gestacional, além de contar com a participação da Profa. Dra. Elaine Moises da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (FMRP-USP), com a palestra: “O Manejo do Diabetes Melitos na Gestação: a experiência do serviço da FMRP-USP.

O Simpósio surgiu a partir da necessidade de se discutir o protocolo do pré-natal, afirma a médica Maria da Conceição Cornetta, gerente de ensino e pesquisa da maternidade, coordenadora do evento especialista no tema. Segundo a médica, o pré-natal é um importante recurso assistencial para diminuir as alterações fetais e maternas ocasionadas pelo diabetes. “O pré-natal destina-se a garantir o melhor estado de saúde possível para a mãe e para o bebê. No caso do diabetes gestacional os cuidados são rigorosos e consegue-se assim evitar cesarianas, reduzir o número de nascimentos prematuros e os de peso excessivo, acima de 4kg e o acompanhamento do pré-natal proporciona a prevenção e também o tratamento precoce do diabetes gestacional”, completa.

Referência na gestação de alto risco no Estado do Rio Grande do Norte, a MEJC, hoje filiada a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh), atende uma média de 20 a 30 pacientes por mês diagnosticadas com a doença que pode vir a causar dano para o binômio materno fetal.

Essa patologia tem uma importância grande, tanto para a mulher quanto para o feto, relata a médica especialista em gestação de alto risco da maternidade, Patrícia Fonseca. “Primeiramente, 50% das mulheres que engravidam após os 40 anos desenvolvem diabetes gestacional, o que pode elevar a incidência de pré-eclâmpsia na gravidez e provocar partos prematuros. Quanto ao bebê, além de ter mais chance de ser diabético no futuro, pode passar por algumas complicações associadas a possíveis morbidades, sobrepeso, icterícia e problemas respiratórios”, fala a médica.

Na maternidade, todas as pacientes passam por um teste de rastreamento e diagnóstico de diabetes seja pela glicemia em jejum, seja pela curva glicêmica. “Aqui é feito um diagnóstico de diabetes para todas as gestantes, mesmo quando a mulher não tem a doença. Se diagnosticada com diabetes, a gestante inicialmente é orientada a realizar dieta e controle dos níveis glicêmicos”, esclarece a médica preceptora da enfermaria de alto risco da maternidade, Quitéria Meirelles.

Ela ainda revela que cerca de 80% dos casos conseguem ser controlados por essa dieta, mas a alimentação da sociedade brasileira não ajuda muito. “Como o Brasil tem uma população que consome muito carboidrato, muitas vezes a dieta não consegue ser seguida e controlada, fazendo assim o uso da insulina durante a internação da grávida”, comenta.

Estudos da Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD) apontam que combater a obesidade e praticar atividades físicas são os melhores métodos preventivos para a diabetes. “Manter um controle nutricional e praticar exercícios podem reduzir em até 60% o risco de desenvolver essa doença. Se a mulher for obesa e sedentária, o risco de desenvolver a diabetes gestacional é muito maior. É necessária uma alimentação balanceada em qualidade de alimentos e no horário correto”, esclarece o profissional de educação física da MEJC, Sávio Camargo.

Rodas de Conversa na MEJC

Após realizarem a primeira medição para o perfil glicêmico, as gestantes participam de uma roda de conversa com o objetivo de tirar suas dúvidas e receber as orientações corretas acerca dos riscos e dos cuidados a serem tomados frente ao diagnóstico da diabete gestacional.

A roda de conversa é realizada por uma equipe multiprofissional composta por psicólogos, nutricionistas, endocrinologistas, obstetras, profissionais de educação física, enfermeiros e farmacêuticos e acontece todas as segundas-feiras às 8h no ambulatório de pré-natal de alto risco da maternidade.

“Conversar sobre a maneira que elas têm de se comportar em relação aos hábitos de vida, no âmbito da alimentação e atividade física, que tem o papel muito importante no controle da glicemia é um dos objetivos da roda de conversa”, afirma Sávio.
Assessoria de Comunicação da MEJC
Telefone: 84 3215.5976 / 5991
comunicacao.mejc@ebserh.gov.br

Postagens mais antigas Página inicial
Copyright © AssessoRN.com | Suporte: Mais Template