acesse o RN blog do jornalista João Bosco de Araújo [o Brasil é grande; o Mundo é pequeno]

domingo, 24 de julho de 2016

Lágrima e dor na janela de meu avô

Por João Bosco de Araújo
Jornalista boscoaraujo@assessorn.com  

Meu avô materno Severino Tavares de Araújo sucumbia em seu quarto na casa da rua Augusto Monteiro, centro de Caicó, em 1962, aos 69 anos de idade. Estava no fim, após décadas de labuta, mas seus sentimentos de homem sertanejo, trabalhador e, sobretudo, humano, resistiam e mesmo em agonia continuavam à flor da pele. Era tempo de festa, mês de Sant’Ana, banda de música na rua.

Os dobrados tocados pela “Furiosa” chegavam aos ouvidos e redobravam suas lembranças, memórias de um passado deixado para trás, mas com a certeza de ter cumprido sua missão terrena.

“Luzia”, pede ele com sua voz já fraquejada, apertando o travesseiro ao peito. “Ajuda-me, preciso ir à janela”. Sem o vigor de outrora, de contemplar a velha banda e suas músicas marciais, chega com o apoio da companheira ao patamar da casa.

Enfileirados, todos uniformizados, disciplinarmente recrutados, os músicos marcham em direção transversal à sua turva visão, numa sinfonia harmônica impecável.

Comovido, antes mesmo de ver terminar a banda passar, suas lágrimas correm face abaixo, semblante esquelético denunciado pela enfermidade, numa expressão que transborda, simultaneamente, alegria e dor.

Compreendia em seu coração a pulsar, aceleradamente, que seria àquela a última cena de ver a banda passar em sua vida, que chegava ao fim!

Ainda criança, todas as vezes que a banda passava minha avó Luzia recordava desse momento lúdico de sua história, de nossas vidas. E chorava!

Silenciosamente, cabisbaixa, enxugava as lágrimas, passando o pano, retirado do colo, no seu rosto enrugado de saudades!

©2013 www.AssessoRN.com | Jornalista Bosco Araújo


- Vídeo com a banda de música recreio caicoense:



Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

Copyright © AssessoRN.com | Suporte: Mais Template